Velame ou Carvoeiro

Característica Morfológica:

Altura de 5-10 m dotada de copa arredondada mais ou menos densa. Tronco geralmente tortuoso e mais ou menos cilíndrico com casca rugosa de 30-50 cm de diâmetro. Folhas alternas estipuladas ou seja, seguimento que prende a folha ao tronco de várias plantas, folhas compostas imparipenadas (com folíolos impares) com eixo comum (raque mais pecíolo) de 15-20 cm de comprimento. Folíolos ( são subdivisões da folha) compostas. são cartáceos, discolores (seco, flexível e tenaz)  em números de 8-12 glabros na face superior (desprovidos de pelos) e brancos-sedosos com as nervuras ferrugíneas-tomentosas (recoberta por pelos finos) na inferior, de 5-10 cm de comprimento por 2-4 cm de largura, sobre pecíolo de 4-6 mm de comprimento. Inflorescências  em panículas terminais (tipo de inflorescência em que caracteriza-se por um cacho em que os ramos vão decrescendo da base para o ápice) amplas de 10-15 cm de comprimento. Com flores amarelas muito perfumadas. Fruto legume (vagens) indeiscentes ( frutos que não abrem-se espontaneamente) achatadas de 4-5 cm de comprimento, com uma única semente muito dura.

Ocorrência:

Região amazônica até o oeste da Bahia, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul e Mato Grosso em cerrados e cerradões.



Madeira:

Muito pesada, (densidade de 1.02 g/cm3), dura de aspecto fibroso, textura grossa, muito resistente e durável.

Utilidade:

A madeira é empregada apenas localmente para lenha e carvão de grande poder calorífico, bem como para carpintaria e para obras externas (mourões, dormentes, estacas) As flores são apícolas (ou seja apreciadas pelas abelhas) A árvore é rústica  e de rápido crescimento, é recomendada  para reflorestamento heterogêneos destinados a áreas degradadas.

Informações ecológicas:

É uma planta semi-decídua (perdem suas folhas em uma determinada época do ano) é heliófita (precisa da luz solar) e xerófita ( adaptada a viver em climas semi-áridos e desérticos) características exclusiva dos cerradões e matas semi-decíduas de regiões altas do Brasil Central e região amazônica.

Apresenta frequência elevada, não obstante muito irregular e descontínua na sua dispersão ao longo de sua vasta área de distribuição. O corre preferencialmente e em capoeira  sobre terrenos bem drenados situados em altitudes acima de 800 m. Produz anualmente abundante quantidades de sementes viáveis  disseminadas pelo vento.


Floresce durante os meses de outubro-novembro e os frutos amadurecem em julho-agosto.


Obtenção de Sementes:


Colhem-se os frutos (vagens) diretamente da árvore quando adquirirem coloração palha e iniciarem a queda espontânea Estes já podem ser considerado como sementes para fins de semeadura. A remoção da semente verdadeira é um tanto trabalhosa, entretanto permite escarificar química ou mecanicamente as sementes e melhorar sensivelmente a taxa de germinação. Um kg de frutos equivale a aproximadamente 4.800 unidades.

Produção de Mudas:

Colocar as vagens ou sementes escarificadas para germinação, logo que colhidas em canteiros a pleno sol  contendo substrato arenoso. A emergência ocorrerá de 4-5 semanas e a taxa de germinação  geralmente é baixa, mesmo ocorrendo com sementes escarificadas.


Fonte de pesquisa: Manual de Identificação e cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil / Autor Harri Lorenzi / Volume 02



2 comentários: